A Tirania da Erótica

A Tirania da Erótica é já obra de referência. O seu autor, que é médico psiquiatra, na senda da pós-modernidade constrói um texto romanesco que é, concomitantemente, ensaístico.

Há pois o apelo a vários níveis de leitura captáveis por diferentes públicos. Acresce a isto o facto de usar de uma escrita clássica, de sabor camiliano, adaptando a selecção lexical ao cariz das personagens, sua marca distintiva, já observável noutras publicações.

Poucos escritores têm, em Portugal, como Carlos Mota Cardoso (aqui escondido sob o pseudonímico João Trambelo), o domínio purista da língua portuguesa, que vai da mais elegante erudição ao oportuno brejeirismo popular sem ser popularucho.

Ao longo da obra temos a sensação que o autor tenta o distanciamento da medicina para optar pela profissão de escritor. Apoiá-lo-ei, meu amigo, sabendo que as letras, em tempos em que best seller é sinónimo de mediocridade, só têm a ganhar, ganhando-o.

O respeito que o seu nome inspira é já prova contundente.

Isabel Ponce de Leão

20,00

Em stock

Ficha Técnica

Colecção

Autor

João Trambelo

Desenho e Composição

Helder Bandarra

Paginação

Ricardo Campos

Edição

Outubro 2017

Páginas

270

ISBN

Depósito Legal

431923/17

Formato

15 x 24 cm

Sobre o Autor

João Trambelo

João Trambelo

João Trambelo

Pseudónimo de Carlos Mota Cardoso

Natural de Viseu
Médico Psiquiatra
Ex Director do Hospital do Conde de Ferreira

Doutor em Psicologia pela Universidade do Porto
Professor Catedrático Convidado da Universidade do Porto
Académico Correspondente Estrangeiro da Real Academia Nacional de      Medicina de Espanha

O livro «A Tirania da Erótica», de João Trambelo, constitui uma interessante digressão entre ensaio e a novela. Com arte e conhecimento científico, consegue entrecruzar a narrativa romanceada com a pesquisa aprofundada nos territórios da Filosofia, da História e da Antropologia.

(…)

Esta obra pretende também interrogar-se sobre aquilo que Trambelo designa como «A Tirania da Erótica», numa reflexão muito oportuna. Na realidade, o erotismo é a sexualidade socializada e um dos seus fins é inserir o sexo na sociedade. Mas o que fazer com o desejo e a fantasia? Até que ponto pode ir a transgressão, tantas vezes necessária para que a fantasia adquira uma carga erótica? Onde entra a servidão, a dor e a humilhação, características do abuso e do sadomasoquismo? São algumas reflexões que esta obra evoca ao leitor atento.”

Daniel Sampaio

Avaliações

Não existem opiniões ainda.

Seja o primeiro a avaliar “A Tirania da Erótica”